Arquivo de junho, 2009

UM DOMINGO QUE MERECE SER ESQUECIDO…

Publicado: 2 de junho de 2009 em Sem categoria

200470473-001

Domingo (31/05/09), definitivamente, não foi o dia do Pará. De Nassau, nas Bahamas, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, castrou o sonho paraense quando não mencionou Belém como uma das cidades que sediarão a Copa do Mundo de Futebol em 2014. Acredito que os paraenses compartilharam juntos essa dor.

Quem tentou se distrair do gosto amargo dessa derrota assistindo ao Fantástico, na Rede Globo, agravou ainda mais a situação: os abomináveis casos de prostituição infantil e mercantilização humana em Portel-PA, adicionadas às orgias repudiáveis realizadas no interior da Câmara de Vereadores de Redenção, sul do Estado, pulverizaram para o restante do país uma imagem que, infelizmente, tem sido uma das nossas principais marcas: a desvalorização da vida humana e da moral. Ou as nossas autoridades e população encaram com seriedade esse problema ou continuaremos sendo “o maior abandonado” no Norte do Brasil, que ainda ostenta a faixa de “marginal” e de “terra sem lei”.

E o mais duro de tudo isso é saber que a maioria dos paraenses não merece essas terríveis designações. Temos belíssimas atrações turísticas, fauna e flora riquíssimas e uma cultura singular. Mas todas essas virtudes são abafadas e ofuscadas pelo estigma de sermos “terra de ninguém”.

Mas, voltando ao assunto da Copa de 2014, constatamos que não adiantou ter o Ronaldinho Gaúcho como nosso garoto-propaganda, e nem o apelo do presidente Lula para que a vaga da Amazônia ficasse com o Pará. A comissão da Fifa não cedeu aos apelos do nosso presidente, não “dançou a nossa música” e nem “jogou no nosso time” quando a questão é dar um “jeitinho” brasileiro de favorecer pares, familiares, simpatizantes e correligionários (nesse caso o PT do Pará, lógico!). Eles não se arriscaram a dar a “cara a tapa” nesse sentido. Preferiram ficar com Manaus-AM. Embora eles tenham uma infraestrutura inferior à nossa atualmente, mesmo assim, por alguma razão inspiraram mais confiança para a Fifa no que diz respeito a arrojo e determinação para honrar tamanha responsabilidade.

E desde aquele momento até agora me coloquei a pensar na principal razão pela qual o nosso querido Estado não recebeu tal oportunidade. E a resposta é simples: paliativos não resolvem problemas, assim como band-aid não cura câncer. É ilógico pensar que algumas atitudes de adornar e “camuflar” a cidade às vésperas da visita da comitiva inspetora da Fifa os convenceria. Eles não são bobos. Se ao invés disso tivéssemos um planejamento de melhoria paulatina de nossa querida “Metrópole da Amazônia” com certeza a vaga seria nossa. Mas nossos dirigentes foram infelizes ao pensar que a Fifa seria como os nossos eleitores que se empolgam com ruas asfaltadas, construção de escolas e hospitais às vésperas da eleição… Definitivamente, a Fifa não é boba! Acreditem!

Pintura no capô do carro não conserta motor batido. Ou levantamos o capô do grande carro chamado Pará e trabalhamos diretamente no motor que há anos está batido (especialmente o motor da realidade política) ou continuaremos sendo embalados pela ilusória esperança do digno reconhecimento por parte do restante do país e do mundo. E acredite, não tem outro jeito! Tem que investir alto para conserto desse motor (nesse caso, analogamente, a política do Pará). Se parecer muito difícil, aí vai uma sugestão: logo ali à frente, depois da curva do fim do ano, você verá uma placa em letras garrafais indicando: “Oficina das Eleições 2010”. Chegando lá, você saberá o que fazer…

Anúncios