MENTIRAS, CONTRADIÇÕES E ILUSÕES: o que há de errado com o “evangelho” atual?

Publicado: 18 de março de 2010 em Sem categoria

Ando meio desapontado com minha geração. O modelo de cristianismo evangélico que prolifera Brasil afora me causa arrepios. O que é motivo de festa para alguns, gera em meu coração desconfiança e inquietação.

Não, não celebro o explosivo aumento do número de evangélicos em nosso país. Não vejo motivos para encher a mão de confetes, pegar instrumentos musicais, reunir amigos e comemorar.

Acreditem, é mais do que hora de pararmos a festa, recorrermos à sobriedade e analisarmos francamente as reais condições do barco em que ousamos entrar. Um diagnóstico preciso pode salvar-nos. É insanidade farrear no convés de uma embarcação cujo casco está furado.

Desesperador é notar que os evangélicos de hoje não exercem a influência social que seus números sugerem. O aumento explosivo da quantidade de igrejas e evangélicos nem de longe significa expansão da dignidade e honestidade. Nossos princípios morais evaporam em meio ao calor da desenfreada ambição.

Sem falar que somos recordistas em contradições. Contradição, na explicação do Houaiss, é o “procedimento ou atitude oposta ao que se tinha dito antes”. Bom exemplo de contradição gira em torno do implacável Osama Bin Laden. Ventilou-se, há alguns anos, que nas partidas informais de futebol que ocorriam lá pelas bandas do Afeganistão, o Bin Laden era conhecido como o pacificador da turma. Para os menos informados, Osama Bin Laden é nada mais, nada menos que o terrorista e assassino mais procurado do mundo.

Mas o Osama que se cuide. Terá de pleitear feio com os cristãos o cobiçado prêmio “Nobel de Contradição”. Sim, pois historicamente, somos recordistas em protagonizar incoerências entre o que pregamos e vivemos.

Vasculhando nosso dossiê, encontramos registros aterradores e que nos incriminam. João Crisóstomo que o diga. Três séculos depois de Jesus, quando a igreja já tinha se espalhado pelo Império Romano, ele queixava-se: “Admiramos a riqueza tanto quanto eles (os não-cristãos) e até mais. Temos o mesmo medo da morte, o mesmo pavor da miséria, a mesma impaciência com a doença. Somos igualmente aficionados da glória e do poder […]. Então, como eles podem crer?”.

Mais recentemente, Ronald Sider, em seu brilhante livro “O Escândalo do Comportamento Evangélico” (Editora Ultimato) denunciou que “os evangélicos afirmam crer nos valores bíblicos e no poder de Deus para transformar suas vidas. Contudo, muitos não vivem de modo diferente do resto do mundo. De dinheiro a sexo, de racismo a realização pessoal, um escandaloso número de cristãos não vivem o que pregam”.

Reforça tal acusação pesquisas[1] realizadas por institutos respeitadíssimos como o Barna Group, dos EUA. Elas apresentam estatísticas mostrando que os cristãos evangélicos estão a ponto de assumir estilos de vida tão hedonistas, materialistas, egoístas e imorais quanto os do mundo em geral. Além disso, as pesquisas indicam que a imoralidade sexual da juventude evangélica é apenas um pouco menos vergonhosa que a dos jovens não evangélicos.

Por motivo semelhante, Brian McLaren, escritor americano, alerta que quando o comportamento de membros de um grupo religioso é um pouco melhor ou às vezes pior que o de seus vizinhos, líderes e membros desse grupo devem ficar atentos.

Precisamos, urgentemente, de uma reforma espiritual no Brasil. O modelo de espiritualidade onde se venera o carisma e negligencia o caráter deve ser abolido do nosso meio. Da mesma forma, devemos descartar a religião que promove seres hipnotizados por glória e poder.

É também necessário que haja um retorno imediato à santidade. Uma busca incessante pela pureza. Que nossos jovens optem por estilos de vida que irradiem luz; que desistam de protagonizar esta novela evangélica, onde sempre encarnam o papel de OO7, atuando como agentes secretos de Deus aqui na terra; que não sejam escravos do sexo; que abandonem a pornografia e desistam das técnicas de sedução onde precisam entulhar páginas de relacionamento virtual com imagens que apresentam e oferecem seus corpos como poderosos instrumentos sexuais (mesmo que “jurem de pés juntos” que não é por esse motivo que o fazem!).

Choros, cambalhotas, lágrimas, declaração de bênçãos, promessas e mais promessas, sonhos megalomaníacos ou êxtase entorpecente a cada novo culto não garantem mudança reais e significativas. Aliás, não passam de mera inutilidade. Estou farto de ver jovens, a cada novo culto, buscando a “re-re-re-reconciliação” com o Senhor.

Tenho uma ponta de desconfiança que, para muitos deles, a Salvação não é mais que um pacote que inclui apenas seguro contra o fogo do inferno, contrato de credibilidade pessoal (com direito a inclusão e ascensão social/denominacional), massagem dominical para o ego e um passaporte para o céu. Esse não é, definitivamente, o coração do evangelho de Cristo Jesus! Tal mensagem é adulterada e gera deliquentes evangélicos que, não raras vezes, estão sob efeito de perigosas alucinações.

Mas não desanimemos: ainda há esperança! É possível mudar este quadro. Retorno à fiel Palavra de Deus, vida diária de oração e comunhão sincera com nossos irmãos: este é o ÚNICO caminho para a reversão dessa triste realidade.

Do contrário, podemos voltar ao nosso barco furado e continuar a festa regada a muita música, confete, “unção” e euforia. Mas atente para esta importante recomendação de bordo: Antes do fim da viagem, reserve alguns instantes e observe o trabalho dos remadores. Note que olham para um lado e remam para o outro. Reproduzir esta prática navegando na vida cristã é arriscadíssimo. Se continuarmos a olhar para o céu com nossa “profissão de fé” enquanto remamos para o inferno com nossas práticas, sofreremos as danosas consequências.

Jesus prometeu que quando se deparar, no porto final, com alguns navegantes, assim os recepcionará: Ei, você aí nesse barco! Quero dizer diante de todos aqui presentes: EU NUNCA TE CONHECI. Afaste-se de mim, você que sempre amou e praticou o mal!(Mt 7.23, adaptado). Após esse momento, haverá um cinematográfico naufrágio. Muitos morrerão. Seus corpos poderão ser encontrados boiando num lago distante. Algo caracterizará todos os cadáveres: semblante de dor, desespero, choro e ranger de dentes (Mt 24.51). Não haverá mais festa nem alegria. Nada mais poderá ser feito. Será tarde demais.

Francisco Helder Sousa Cardoso


[1] Pesquisa disponibilizada em “O Escândalo do Comportamento Evangélico”, Ronald Sider, Editora Ultimato, p.13.

Anúncios
comentários
  1. Querido irmão Helder, muito me honrou sua lembrança e o convite para que apreciasse seu escrito, muito embora minhas observações sejam apenas uma gota d’água em meio aos nomes, que no meio batista ou fora dele, referendam por si só aquilo que você tem produzido.

    O seu artigo principia falando que não há razões para se comemorar o “boom” do crescimento dos evangélicos. Na verdade não há mesmo nada a se comemorar, pois tal crescimento refere-se aos evangélicos geração “gospel” ou geração “ gospista” (epíteto meu, quem sabe não seria o nome mais bem aplicado a essa turma), os quais não querem, e mesmo que quisessem não poderiam atender pelo nome de “Cristãos protestantes”, pois além de não possuírem dna teológico para tal intento, não possuem a premissa cristã da auto-negação, do tomar sua cruz (Mc.8.34).

    Ser Cristão no ideário atual é ser bem sucedido em todos os âmbitos do reino deste mundo, ter fama,dinheiro… bem vaticinou Pedro que o caminho da verdade seria por isso infamado (II Pe.2.2). Isaías falou de uma inversão de valores: “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!” Is. 5.20.

    Em um tempo em que a moralidade está amoral, a ética enfraquecida, a fama conseguida através da má fama, o que deve nos consolar é que a Igreja de Cristo é conhecida pelos céus por ser a noiva virgem e imaculada do cordeiro de Deus, apesar de ser desconhecida do grande público aqui na terra. Aliás, o que é bem próprio das virgens. As mulheres faladas são as prostitutas, adúlteras ou fornicarias, essas são bem conhecidas.

    Quero parabenizá-lo por esse texto e encorajá-lo a que continue escrevendo, pregando, e sendo uma voz verdadeiramente profética em meio a uma geração que tem perdido seus valores e referenciais. Com certeza minha fala quanto ao Helder escritor, faz coro com as muitas vozes que comungam da mesma opinião. Deus continue abençoando sua vida e ministério. Conte conosco, estaremos orando por você.

    Seu irmão e amigo Wanderley Nunes.

    Visite nosso Blog:http://mensagemrestauradora.blogspot.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s